5 erros que causam o desgaste da embreagem

Por diversos motivos, todos nós adquirimos alguns vícios no jeito de dirigir. Alguns são inofensivos, outros podem ser até arriscados e há ainda aqueles que geram desgaste precoce de componentes. Neste último caso, a consequência vem no bolso, obrigando a uma troca ou reparo antes da hora. Um custo que, ao longo do tempo, pode se tornar um grande prejuízo. E um grande exemplo disso ocorre quando há desgaste da embreagem.

Este é um componente fundamental para o funcionamento do carro e não costuma ser algo que precise ser substituído com frequência. No entanto, o mal uso pode abreviar muito rapidamente sua vida útil.

Por isso é tão importante saber como preservar a embreagem do seu carro. Descubra como lendo estar artigo!

O que é e para que serve a embreagem

A função da embreagem é permitir a troca de marchas do veículo. É essa troca que vai comandar o quanto de força do motor será passado para as rodas por meio da caixa de câmbio. Assim, o controle da transição entre uma marcha e outra se dá com o acionamento da embreagem, que, na verdade, é um conjunto de três peças:

  • Disco de embreagem;
  • Platô;
  • Rolamento.

É esse conjunto que engata e desengata o motor da caixa de câmbio nas trocas de marchas, sempre que pisamos no pedal da embreagem.

+ Carro automático ou manual? Diferentes câmbios e suas vantagens

+ 8 dicas para fazer viagens longas com crianças

+ Gol e o Futebol: uma história do Brasil

Como evitar o desgaste da embreagem

São, basicamente, cinco os erros mais comuns. Veja quais são:

1. Manter o carro engatado mesmo parado

Quando parar em um semáforo, deixe a alavanca em ponto morto e, principalmente, não fique com o pedal da embreagem acionado. Isso danifica os componentes, pois foram projetados para uso intermitente de curta duração e não para permanecerem acionados por muitos segundos.

2. Descansar o pé no pedal

Muitos motoristas costumam deixar o pé pousado no pedal de embreagem. Algumas vezes por distração, outras para que possam acioná-lo mais rapidamente. O problema é que este é um conjunto sensível e qualquer pressão sobre ele é o bastante para afastar o platô do disco, provocando um lixamento que desgasta os componentes.

3. Redução brusca de marchas

Quando necessária, a redução de marchas deve ser feita gradualmente, seguindo a ordem inversa das marchas: de quinta para quarta, de quarta para terceira etc. Porém, fazer essa mudança pulando esta ordem causa impacto no motor e desgaste excessivo da embreagem. Em casos extremos, pode até ocasionar a quebra de algum componente.

4. Fazer meia embreagem

Esta artimanha costuma ser aplicada em situações em que é preciso parar temporariamente o carro em uma ladeira, como num semáforo, por exemplo. Segurar o carro dosando o acionamento incompleto do pedal de embreagem e o acelerador está entre as ações que mais causam desgaste. Nessas situações, o correto é usar o freio de estacionamento para manter o carro parado.

5. Trocar de marcha fora do tempo certo

A troca de marchas deve ser feita no tempo certo, de acordo com a rotação indicada em cada modelo. Antecipar ou retardar essa troca prejudica a durabilidade do conjunto de embreagem.

Seguindo essas dicas, você evita o rápido desgaste da embreagem e economiza na manutenção do carro.

Gostou dessas informações? Então não deixe de compartilhar nas suas redes sociais.

Texto: Rogério de Moraes/Colaborador